COMPORTAMENTO

LINGUAGEM DOS PETS

por Alexandre Rossi
|
|
Compartilhe:

Cães e gatos possuem linguagem própria, característica das espécies. Originalmente, é usada para que possa interagir com os seus iguais. Quando trazemos os peludos para nossa casa, é importante realizar uma boa leitura desses comportamentos para estreitar a relação com o pet da forma mais legal possível.

Cães

Os nossos amigos de quatro patas estão sempre se comunicando, por meio de linguagem corporal ou vocalização (latidos, uivos). Quando conseguimos entender esses sinais fica mais fácil nos aproximarmos deles e, se for o caso, resolvermos algum problema que esteja comprometendo a convivência.

Relaxados: cães que correm alegremente em parques, aproximam-se de seus amigos peludos e colocam as patas da frente para baixo olhando para o outro, estão claramente relaxados e chamando o colega para uma brincadeira. Mas atenção: se for um cão mais tímido ou não estiver a fim de brincadeiras ele demonstrará que não quer papo ou até rosnará.

Risco de briga: quando o cão anda ereto, com o rabo levantado e os pelos arrepiados ao redor de outro cão, pode surgir uma briga logo em seguida. Se o outro cachorro perceber e for mais pacífico, tende a ir embora. Mas se também for um valentão, pode começar um confronto. Por isso, se você se deparar com posturas assim, pegue seu peludo e leve-o para outro local.

Informações nos postes: uma maneira característica dos cães de registrar a sua presença é urinar em postes e em arbustos. Essa é forma de deixar suas informações, que serão “lidas” pelo próximo cão que passar por ali. Os cães também costumam esfregar as patas no chão para deixar mais do seu cheiro característicos, através das glândulas que ali se encontram. Isso pode ser feito tanto por machos quanto por fêmeas.

Gatos

Os gatos usam vários comportamentos como forma de comunicação visual e olfativa e costumam desenvolver uma linguagem própria para conversar com seus donos.

Deixando o meu registro: os felinos têm algumas maneiras peculiares de dizer “passei por aqui”. Por meio de arranhões e também de cheiros, eles conseguem saber quem já esteve no local. Arranhar o braço do sofá serve também para deixar um sinal visual de sua presença. Por isso, é muito importante deixar arranhadores disponíveis. Outra forma de deixar um sinal é com urina: gatos “borrifam” xixi, de costas, geralmente em superfícies verticais.

Gestos e miados: é comum que o bichano desenvolva uma linguagem específica para falar com seu dono. Quando o gato está com fome, ele pode correr e miar perto do armário em que a comida fica.

Meu instinto felino: sabe quando o gato olha para uma ave pela janela, fazendo um som baixo e grave, entretido na imagem do animal lá fora? Ele está com seu “modo caça” ligado, querendo perseguir aquela presa, o que é totalmente natural!


Mordo por amor: os gatos podem morder como forma de carinho, brincadeira ou defesa. Na primeira forma citada, a mordida é mais delicada. Na segunda, surge como se fosse um ritual de caça, mas a intensidade demonstra ao dono que é somente brincadeira. E na terceira, a mordida é para atacar ou se defender, logo, o animal usará toda a sua força. Isso acontecerá geralmente em situações em que esteja apavorado.  

Esses são alguns exemplos que os pets apresentam como forma de comunicação. É claro que o animal acaba “moldado” à convivência com as famílias. Portanto, sempre interaja com o seu amigo com cuidado, amor e atenção.