COMPORTAMENTO

Alexandre Rossi dá entrevista para Casa e Jardim

por Equipe de Comunicação
|
Compartilhe:

Pets trazem alegria ao lar e é de partir o coração sair de casa e deixá-los sozinhos. É aí que surge a ideia de adotar um “irmãozinho” ou “irmãzinha” para que façam companhia um ao outro. Mas e se forem gato e cachorro, como introduzi-los e alcançar a boa convivência? Como lidar com o ciúmes? Casa e Jardim conversou com o especialista em comportamento animal Alexandre Rossi, o Dr. Pet, e reuniu algumas dicas infalíveis. Confira:

- Introdução de gato Se o novo membro da casa é um gato e o anfitrião o cachorro, o recomendado é controlar as interações desde o início. “Mesmo que o cão não tenha um instinto de caça aguçado, ele pode ficar curioso com a presença do gato e assustá-lo” explica Alexandre. Ou seja, mantenha o cachorro na guia e supervisione as interações no momento de introdução. “A dica é acostumá-los, mas com a ressalva de que os gatos podem demorar mais para se familiarizar com novo ambiente”, destaca. Por isso, o ideal é que o felino fique em um só cômodo à princípio e, quando estiver habituado neste local, o restante da casa seja liberado.

- Introdução de cachorro Um dos pontos mais importantes quando o cão chega depois do gato, é que o anfitrião já tenha seus refúgios. Isto porque, segundo o especialista, o gato pode “escapar” do cachorro enquanto não está acostumado com a presença dele ou quando não quiser interagir. Como no item anterior, o cão deve estar na guia enquanto o dono realiza sessões curtas e seguras de interação entre os pets. “É importante verificar o nível de estresse dos envolvidos: se algum deles não estiver demonstrando interesse pelas recompensas, o estímulo pode estar muito alto e então é melhor recuar um pouco” esclarece. A dica é colocar panos com o cheiro um do outro em locais estratégicos, como, por exemplo, coloque a coberta do cão no espaço do gato quando ele for comer.

- E se o anfitrião se mostrar agressivo? “Controlar totalmente as interações é muito importante para manter a segurança de todos e não gerar associações negativas”, explica. Caso o anfitrião se mostre agressivo, o ideal é começar as interações em um nível mais leve – pode ser, por exemplo, através de porta ou à distância, como em um corredor. Comece com sessões curtas e vá aproximando os pets conforme forem demonstrando estarem mais tranquilos e relaxados. “Nessas interações, ofereça a ambos coisas gostosas e que eles valorizem bastante”, indica.

- Cuidado com o ciúmes Providencie um local de descanso, alimentação e banheiro para cada um dos pets – apesar de a escolha acabar sendo um pouco individual, é importante que cada um tenha seu espaço e suas coisas. “O pior a ser feito é parecer, para o anfitrião, que ele perde itens importantes para o novo morador, especialmente atenção, carinho e os demais itens que são importantes para ele” explica Dr. Pet. Por isso, a recomendação é que sempre que o novo integrante da família estiver por perto, o anfitrião não pode perder nada, pelo contrário, só coisas legais devem acontecer para ele.

- Comportamentos estranhos O ciúmes pode ser demonstrado com outras atitudes além da agressividade. Roer móveis, comer a ração do outro pet e até mesmo as fezes do novo membro, podem ser algumas das opções. “A dica é fazer boas ligações com a presença do outro pet, pois esses comportamentos podem estar ocorrendo em razão da ansiedade gerada pela mudança de rotina e presença de novo membro da família”, esclarece Alexandre.

- O segredo é criar boas associações Uma das coisas mais importantes é deixá-los com a boa sensação ao estar na presença um do outro, e não que se sintam amedrontados ou intimidados. “Com isso e uma boa dose de paciência, tudo fica em paz”, finaliza.

Fonte: Casa e Jardim

Encontre por tipo de Mídia:


Como contar os anos de vida de cães e gatos

vejasp.abril.com.br

Sabemos que a expectativa de vida dos pets não acompanha a dos humanos. Será que é possível fazer uma previsão?

SE VOCÊ É UM DONO: FESTEIRO

FESTAS

Mantém a casa sempre movimentada? A melhor saída é buscar cães de companhia, mais tranquilos e menos territorialistas, como o golden retriever, o labrador, o spitz alemão, o maltês, o shih tzu, o west highland white terrier e o lhasa apso.

Pets que ajudam na educação das crianças

Deixar que as crianças realizem tarefas relacionadas ao bichinho de estimação pode ser uma ótima ideia para ensiná-los a ter responsabilidade.

Copa: cães que sofrem com barulhos altos

Dicas para minimizar ou acabar com o medo dos pets nos dias de jogos do Brasil durante a Copa.

Hotel, férias e pets!

Dicas de Alexandre Rossi sobre como ter uma viagem tranquila em família, com o pet.

CÃES

Os nossos amigos de quatro patas estão sempre se comunicando, por meio de linguagem corporal ou vocalização (latidos, uivos).

Campanha reforça a presença do veterinário no núcleo de apoio à saúde familiar

O CRMV criou a campanha “Saúde é uma só” com o intuito de incluir o médico veterinário em ações de prevenção à saúde voltadas às famílias.

Como e quando usar recompensas para treinar cães e gatos?

Entenda a importância do reforço positivo para a boa convivência do pet com a família!

O melhor tipo de tosa para o seu cachorro

Conheça mais sobre recorte e tintura canina e saiba que cuidados ter na hora da tosa.

SE VOCÊ É UM DONO: COM CRIANÇAS

O mais recomendado é buscar cães dóceis e de grande porte, que aguentem brincadeiras mais brutas, como o bull terrier, por exemplo, que é um cachorro forte, mas extremamente dócil com crianças.

SE VOCÊ É UM DONO: AVENTUREIRO

AVENTUREIRO

Algumas raças indicadas são o border collie, o beagle, o labrador e o golden retriever.

SE VOCÊ É UM DONO: AGITADO

AGITADO

Vale procurar raças mais independentes, como o akita, o husky siberiano, o chow-chow e o pug.

SE VOCÊ É UM DONO: CARENTE

CARENTE

o labrador, cocker e o yorkshire adoram um cafuné e trocam tudo para deitar nos pés de seus tutores.