PET DICAS

COMO LIDAR COM A MORDIDA DOS FILHOTES?

por Alexandre Rossi | Coluna Canal Pet - Ig
|
8 meses ½ atrás
|
Compartilhe:

Conviver com um filhotinho de cachorro significa saber o quanto eles gostam dar uma mordida. Mordem as mãos e os pés das pessoas, sapatos, móveis e, muitas vezes, um bom número de objetos tidos como "preciosos" pelos tutores, como o celular ou os óculos, por exemplo.

E como lidar com esse "hábito" dos pequenos peludos? Hoje, vou dar algumas dicas que ajudarão a enfrentar a mordida e esse período com mais tranquilidade.

Por que eles mordem?

Assim como nós, os cães nascem sem dentes. O tempo de erupção dos dentes de leite ocorre entre 3 a 12 semanas de idade. Eles são bem finos, como agulhas e podem machucar bastante.

Por volta dos três meses, inicia-se a troca dos dentes de leite pelos permanentes, como ocorre com as crianças pequenas. Essa fase se estende até por volta dos sete meses de vida e poderá ocorrer vermelhidão, inchaço e irritação na gengiva, já que os dentes estarão rasgando a pele.

Por isso, os filhotes precisam se aliviar de alguma forma. Como fazem isso? Mordem tudo o que encontram pela frente. Mas o filhote dificilmente morde a mão de alguém sem receber alguma atenção, por quê? As mordiscadas nas mãos ou pés se tornam uma forma de interagir com as pessoas.

Assim, sabendo os motivos das mordida, fica muito mais fácil tomar algumas providências para evitar objetos destruídos ou mãos arranhadas ou cortadas.

Como agir?

Com relação ao desconforto que o filhote sente nas gengivas, o ideal é que ele tenha muitas opções de brinquedos para morder, já que esse é um comportamento natural e instintivo. Recomendo usar brinquedos específicos para cães filhotes, de diversas formas, tamanhos e texturas.

O indicado é deixar esses objetos nos ambientes que o cãozinho mais frequenta e incentivá-lo a brincar com eles. Outra dica que auxilia bastante: colocar os brinquedos no congelador, já que o gelo tem efeito analgésico, aliviando bastante a irritação na gengiva.

De nada adianta simplesmente deixar tantas opções para eles, sem que haja qualquer tipo de interação. O ideal é que todos os que convivem com o bichinho o estimulem a ter os brinquedos na boca, elogiando-o bastante quando ele estiver roendo o ossinho, por exemplo. E quando ele morder as mãos ou os móveis, diga um “não” firme e mostre que a brincadeira se encerra por alguns minutos.

O filhote associará, assim, que chama a atenção do dono quando está roendo os seus brinquedos, acontecendo exatamente o contrário quando ele estiver mordendo algum objeto da casa ou as mãos e pés das pessoas. Ele passará, então, a entender que os brinquedos geram alívio para a gengiva e interação com os humanos, mas morder as mãos ou objetos ocasiona o término da brincadeira.

Vale a pena também “não dar sopa para o azar”: tire do alcance dele objetos possivelmente perigosos caso eles sejam roídos, como fios elétricos, objetos pontiagudos, ou ainda, muito “gostosos” de serem roídos, como almofadas, chinelos, etc. Prestando atenção nesses detalhes, certamente essa fase de mordida será muito mais fácil, tanto para o filhote quanto para o dono.

Leia Mais